05 novembro 2005

Guiné 63/74 - CCLXXIII: Andanças do Humberto Reis na região de Farim (1996)

Material inédito que o meu camarada e amigo Humberto Reis (ex- Furriel Miliciano da CCAÇ 12, Bambadinca, 1969/71) me mandou, em tempos, e que relata a sua ida à Guiné-Bissau, em Março de 1996, e mais concretamente as suas peripécias na região do Cacheu.

Insere-se agora esse material no blogue, em homenagem também ao nosso amigo Anízio Lona Indami, jovem guineense, de 22 anos, natural de Farim, a estudar em S.Paulo, Brasil (*)

(Notas e fotos: © Humberto Reis, 2005; notas também de LG).


1. O capot aberto do carro que nos destinaram tem um significado. Quando passámos o célebre K3, na estrada Mansoa- Farim e chegámos à beira do rio Cacheu, já lá estavam 2 carros à espera da lancha para atravessar.

Acontece que a lancha, como habitualmente, estava do lado de Farim e não trabalhava pois o motor de arranque não funcionava e aquilo não é como nos carros que pegam de empurrão.

Ao fim de uns 10 ou 15 minutos de espera infrutífera tive uma ideia daquelas do "estás na Guiné, desenrasca-te". Estava uma canoa a fazer a cambança só de pessoas, como é lógico, e então eu disse-lhe para dar o seguinte recado ao marinheiro da lancha:

- Nós emprestamos a bateria do carro para colocar o motor a trabalhar com a condição de, a nós, não nos cobrar a travessia nem para lá nem no regresso logo à tarde.

No regresso da canoa lá vinha o recado do marinheiro a aceitar a nossa brilhante ideia, pois assim já podia começar a facturar aos outros carros e também às pessoas que transportasse.

Foi assim que desmontámos a bateria do carro entregámos ao homem da canoa que a levou para Farim e passados 5 minutos ouvimos, com bastante alegria, o roncar do motor da lancha do lado de lá do rio Cacheu. Até parece anedota, mas não: foi a maneira de conseguirmos ir até Binta onde o meu amigo Pedro Neves, apesar de já ter voltado à Guiné 3 vezes, nunca mais lá tinha ido.


2. O meu amigo Pedro Neves, que foi comigo à Guiné-Bissau, observa o que resta do seu ex-aquartelamento de Binta, a sudeste de Farim, na margem norte do Rio Cacheu, onde tinha estado como furriel miliciano em 1972/73 .

A Guiné-Bissau está hoje subdivida em 8 regiões e um sector autónomo (Bissau). Uma dessas regiões é o Oio, cuja capital é Farim. Esta região, que confina, a oeste com a região do Cacheu (capital: Cacheu), a norte com o Senegal, a leste com o Gabu (capital: Gabu, antiga Nova Lamego) e a sul com a região de Bafatá (capital: Bafatá). tem cerca de 200 mil habitantes e uma superfície de 5400 quilómetros quadrados (LG).


3. Cais de Binta, na margem norte do Rio Cacheu

O estuário do Rio Cacheu é uma das áreas sensíveis para a protecção e conservação de aves na Guiné-Bissau (Parque Natural dos Tarrafes do Cacheu).

O Rio Cacheu foi palco de duros combates durante a guerra colonial: por exemplo, no dia 16 de Dezembro de 1967 foi atacada e afundada no rio Cacheu a famosa LDM (Lancha de Desembarque Média) 302. Nesse ataque do PAIGC, morreu o Patrão da Lancha e um Grumete Artilheiro (Foram ambos condecorados a título póstumo na cerimónia do 10 de Junho de 1968, com a medalha de Cruz de Guerra de 3ª classe). A LDM 302 era uma das das cinquenta lanchas de desembraque (pequenas, médias e grandes) que existiam na Guiné e que foram fundamentais no apoio logístico às NT.

Trazida à superfície, a LDM 302 foi reparada em Bissau, e posta de novo a navegar. No seu primeiro cruzeiro, seis meses depois do ataque de Dezembro de 1967, e precisamente no mesmo local (Porto Coco, no rio Cacheu), foi de novo atingida com violência e com baixas (morte de um Grumete Artilheiro e ferimentos noutra praça). Ao todo, a LDM 302 foi atacada oito vezes, acabando por ser abatida ao efectivo em 1972 (LG).


4. Do lado sul do rio Cacheu à espera da lancha para atravessar para Farim que se vê do lado de lá. 24 de Março de 1996.

Farim viu nascer Vasco Cabral, em 23 de Agosto de 1926. Foi um dos fundadores e dirigentes do futuro PAIGC.

Vasco Cabral , que não tinha qualquer laçod e parentesco com Amílcar Cabral, morreu recentemente em Bissau, em 24 de Agosto de 2005. Era uma fgura de grande nível intelectual, resistente anti-fascista e firgura de proa da luta de libertação.

Vasco Cabral era doutorado em Ciências Económicas e Financeiras pela Universidade Técnica de Lisboa . Menos conhecida, entre nós, é a sua faceta de poeta. Os seus poemas de prisão, escritos a partir de 1953, fazem de Vasco Cabral o primeiro poeta em língua portuguesa de Guiné-Bissau ( A luta é a minha primavera, 1981). Originalmente publicados em edições clandestinas e depois pela guerrilha. (LG).


5. A casa comercial J. Miranda, em Farim, onde parámos para beber uma cervejinha qu2 até estava bem geladinha

(*) Vd. post de 5 de Novembro de 2005 >

Guiné 63/74 - CCLXX: Anízio, 22 anos, estudante, procura notícias do antigamente sobre a sua terra, Farim

1 comentário:

Trindade Veiga disse...

Boa Noite.
Fui Fuzileiro Especial - estive na Guiné em duas Comissões.
Fiz Operações em todo o território, da Guiné.
Sou um dos pioneiros da instalação da Bapatganturé (Bigene).
Fiz inúmeras operações a norte e sul do rio cacheu.
Fiz inúmeras patrulhas em bote, de Ganturé até Farim.
Cacei algumas gazelas, na margem sul do rio cacheu.
Estava lá quando atacaram as lanchas.
Fiz desembarques nessa lancha.
Um abraço
jacaré